MENU

17/08/2021 às 14h35min - Atualizada em 17/08/2021 às 14h35min

ES quer aplicar 3ª dose da Pfizer em grupos de risco da covid-19

O Espírito Santo é favorável à aplicação e já apresentou sua posição ao Ministério da Saúde

Da Redação

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) está avaliando a aplicação da terceira dose da vacina da Pfizer em pessoas que fazem parte do grupo de risco da covid-19. A informação foi confirmada pelo secretário de Saúde, Nésio Fernandes, em coletiva na tarde de segunda-feira (16). 

Segundo ele, a própria fabricante tem recomendado o reforço vacinal em diversos países e é provável que todos os demais imunizantes utilizados no Brasil também precisem, futuramente, da terceira dose.

"Entendemos que isso não é demérito para nenhum imunizante. Estamos avaliando no Brasil, junto ao PNI, ao Ministério da Saúde, ao Conass, ao Conasems e aos comitês técnicos a necessidade de aplicação de uma terceira dose da vacina [da Pfizer], especialmente na população idosa e imunossuprimida, que foi alcançada com as duas doses desse imunizante, principalmente no início da campanha de vacinação, nos meses de janeiro, fevereiro e março", explicou o secretário.

De acordo com Nésio Fernandes, o Espírito Santo é favorável à aplicação da terceira dose da Pfizer e já apresentou sua posição ao Ministério da Saúde, que deverá se manifestar sobre esse tema ainda neste mês.

"O assunto está sendo debatido por comitês técnicos, junto ao Ministério da Saúde. Nós já apresentamos nossa posição e o tema deve avançar nas próximas semanas, para uma definição concreta do PNI", frisou.

O governo do Espírito Santo defende a combinação de doses de vacinas de fabricantes diferentes para completar a imunização da população contra a covid-19. A ideia seria utilizar o imunizante da AstraZeneca para a primeira dose e o da Pfizer para a segunda.

O secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, destacou que a adoção da chamada vacinação heteróloga é oportuna, neste momento, devido à prevalência das vacinas das duas indústrias no processo de imunização da população brasileira.

"Entendemos que a vacinação heteróloga deve ser uma estratégia nacional a ser avaliada. O governo do Estado avalia como oportuno e necessário que ela seja adotada em todo o país, considerando que, neste momento, temos ampla disponibilidade da vacina da Pfizer para aplicar na população", destacou.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Sugestões
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp