MENU

04/11/2021 às 17h08min - Atualizada em 05/11/2021 às 00h00min

Conep relata irregularidades em estudo feito com o uso da proxalutamida contra Covid-19

De fabricação chinesa, a substância é estudada para o tratamento de câncer, mas ainda não tem autorização de uso no Brasil

Câmara
https://www.camara.leg.br/noticias/823832-conep-relata-irregularidades-em-estudo-feito-com-o-uso-da-proxalutamida-contra-covid-19/

Em audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (4), a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) relatou várias irregularidades em estudo feito com o uso da proxalutamida contra a Covid-19, inclusive a falta de detalhamento sobre a morte de 200 pessoas. O Ministério Público está investigando o caso.

Coordenador da Conep, Jorge Venâncio disse que havia um pedido do pesquisador Flávio Cadegiani para a realização de estudo com a droga em uma clínica em Brasília. A primeira irregularidade foi justamente a expansão do experimento, sem autorização, para outros estados, como Amazonas e Rio Grande do Sul.

Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) - Dep. Henrique Fontana PT -RS

Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) - Dep. Henrique Fontana PT -RS

Henrique Fontana, idealizador do debate de hoje, quer discutir denúncias feitas pela Conep

Venâncio disse que também não foi apresentada a composição do comitê independente que deveria acompanhar o estudo. O parecer recebido pela Conep teria sido assinado por um laboratório, que tem um pedido de patente do uso de medicamentos antiandrogênicos, como é a proxalutamida, no tratamento da Covid.

O coordenador da Conep informou que a representação no Ministério Público foi entregue em setembro, mas que agora em novembro foram feitos adendos porque um hospital do Amazonas que participou do estudo apresentou o termo de consentimento dado aos pacientes. O documento era diferente do aprovado pela comissão. O termo usado no Amazonas não teria os direitos dos participantes e não fazia referência ao fornecimento de contraceptivos. Os pacientes precisariam usar esses medicamentos porque a proxalutamida pode causar problemas de má-formação em caso de gravidez.

Outra mudança feita na representação foi a inclusão de um processo judicial de parentes de uma paciente que faleceu e que, em seu prontuário, foi encontrada a prescrição de proxalutamida e nebulização com hidroxocloraquina. Venâncio afirmou que a prescrição explícita corrobora a suspeita de que o estudo não foi feito com cegamento, ou seja, sem que os participantes do grupo que toma o medicamento e do grupo que toma placebo sejam identificados.

Ataques
Na audiência, o repórter Pedro Nakamura, do portal de notícias Matinal, relatou suas reportagens sobre o estudo feito com a droga no Hospital da Brigada Militar de Porto Alegre. Ele disse que sofreu diversos ataques após a reportagem.

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Tema: "Dispõe sobre a Pesquisa Clínica em Seres Humanos." Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, Jorge Alves de Almeida Venâncio

Audiência Pública - Tema: "Dispõe sobre a Pesquisa Clínica em Seres Humanos." Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, Jorge Alves de Almeida Venâncio

Jorge Venâncio: Ministério Público investiga a causa da morte de 200 pessoas em estudo

“Pegaram uma mensagem que eu enviei para uma fonte da equipe clínica do hospital. Um dos médicos teve acesso a essa mensagem. Ele a cortou, publicou e começou a dizer que eu estava assediando o corpo clínico do hospital. Começou a me marcar no Instagram, no Twitter, em todas as redes sociais pessoais possíveis. E aí eu comecei a sofrer ataques de vários usuários”, denunciou.

Segundo Pedro, a proxalutamida, fornecida por fabricante chinês, é estudada para o tratamento de câncer, mas ainda não tem autorização de uso em nenhum lugar do mundo.

Ele contou que o estudo de Porto Alegre foi feito por Cadegiani em parceria com o médico Ricardo Zimerman, que esteve na CPI da Pandemia no Senado defendendo o chamado tratamento precoce contra a Covid-19. Os dois médicos e dirigentes do Hospital da Brigada Militar foram convidados para a audiência, mas não compareceram.

Conselho de medicina

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) deve sugerir a realização de uma comissão geral para debater a ética médica em face de denúncias feitas durante a pandemia.

O deputado Roberto de Lucena (Pode-SP) questionou o fato de a Conep não ter consultado os conselhos de medicina antes de ir ao Ministério Público e pediu um aprofundamento da investigação.

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Sessão Extraordinária - Comissão Geral. Dep. Roberto de LucenaPODE - SP

Sessão Extraordinária - Comissão Geral. Dep. Roberto de LucenaPODE - SP

Roberto de Lucena: é preciso ouvir também a versão dos pesquisadores

“É fundamental ouvirmos o contraponto, ouvirmos os argumentos do pesquisador. Eu tenho algumas informações que são diferentes das que estão sendo colocadas. Como, por exemplo, o fato de que reduziu 77% a mortalidade no Amazonas”, declarou.

Para o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), a situação é gravíssima: “Estamos diante, talvez, do maior escândalo ético-científico da história da medicina brasileira. E certamente um dos maiores escândalos vistos por essa Conep, que existe desde 1997. Estou absolutamente chocado. Como que alguém fez isso com vidas?”.

Anvisa
A diretora-adjunta da 5ª Diretoria da Anvisa, Daniela Cerqueira, disse que a agência reguladora suspendeu as pesquisas científicas com a proxalutamida em setembro e está investigando os centros que participaram do experimento.

Segundo ela, a agência constatou que foi importada uma quantidade de medicamentos superior à necessária para o estudo protocolado na Conep.



Fonte: https://www.camara.leg.br/noticias/823832-conep-relata-irregularidades-em-estudo-feito-com-o-uso-da-proxalutamida-contra-covid-19/
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Sugestões
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp