MENU

17/11/2021 às 17h26min - Atualizada em 18/11/2021 às 00h00min

Debatedores sugerem diretrizes mais claras para a política de defesa nacional

Relator criticou contingenciamento de recursos para projetos estratégicos

Câmara
https://www.camara.leg.br/noticias/827974-debatedores-sugerem-diretrizes-mais-claras-para-a-politica-de-defesa-nacional/
Billy Boss/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Implementação da Política Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa

Audiência Pública - Implementação da Política Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa

Comissão debateu documentos que definem a estratégia de defesa nacional

Especialistas debateram nesta quarta-feira (17), na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, os principais documentos que norteiam o sistema de defesa do país: a Política de Defesa Nacional, a Estratégia de Defesa Nacional e o Livro Branco de Defesa Nacional. Eles cobraram maior definição do governo e do Congresso Nacional sobre os rumos que essa política pública deve tomar. A discussão salientou também a defesa como política de Estado e não de governo e a importância de ter a soberania nacional como um valor essencial.

Os participantes afirmaram que, em razão da chamada “índole pacífica” do Brasil e da não participação em conflitos armados, até recentemente não havia uma “cultura de defesa” e, por isso, o tema não mobilizava nem a classe política nem a sociedade civil.

Para o presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (Abed), Eduardo Svartman, é preciso que os três documentos em análise tragam claramente os objetivos da política de defesa. “É preciso priorizar e hierarquizar esses objetivos e os documentos não apresentam isso. Quais são as metas? Qual é a escala de tempo? Qual é a alocação de recursos? Qual é a alocação de pessoal? Quais capacidades nós pretendemos adquirir? Se nós não estabelecemos esses parâmetros, fica muito difícil uma política de defesa que efetivamente seja eficaz e que garanta efetividade militar”, disse.

Billy Boss/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Implementação da Política Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa. Eduardo Munhoz Svartman - Presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED)

Audiência Pública - Implementação da Política Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa. Eduardo Munhoz Svartman - Presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED)

Eduardo Svartman defendeu objetivos claros para a política de defesa

EUA e China
Ex-embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Rubens Barbosa também pediu mais clareza no posicionamento do País sobre as mudanças no cenário internacional, como a perda de espaço dos norte-americanos e a emergência da China. Ele defendeu que os documentos sejam mais amplos, não enfocando somente a parte militar.

Já o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim criticou a militarização da pasta e, como outros convidados, pediu maior participação da sociedade civil nas discussões, além do Congresso. Ele explicitou a separação da participação de civis e militares no campo da defesa.

“Numa estratégia de defesa, o objetivo político tem que ser fixado pelo poder civil, pelo poder democraticamente eleito, e o segundo nível da estratégia de defesa é exatamente o nível em que estão os comandantes militares, junto com o próprio Ministro da Defesa, para verificar se os objetivos pretendidos pelo poder político são objetivos factíveis ou não. Se forem factíveis, então se desce depois para o nível operacional e o nível tático, que é exclusivamente militar”, observou.

Billy Boss/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Implementação da Política Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa. Nelson Jobim - Ex-Ministro de Estado da Defesa

Audiência Pública - Implementação da Política Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa. Nelson Jobim - Ex-Ministro de Estado da Defesa

Nelson Jobim: "Objetivo político tem que ser fixado pelo poder civil"

Orçamento
O deputado Claudio Cajado (PP-BA), que é o relator dos documentos de Defesa Nacional junto à Comissão Mista de Controle de Atividades de Inteligência (CCAI), reforçou que seu parecer vai abordar, entre outros temas, a questão do Orçamento para a área, que foi evidenciada por vários debatedores.

“Penso eu que um dos fatores importantes seria a questão orçamentária e financeira, ter um fluxo assegurado. Eu penso que seria talvez importante nós não contingenciarmos projetos importantes como, por exemplo, o KC-390, onde o recurso foi zerado”, disse o deputado.

O KC-390 é um avião de carga que foi desenvolvido pela Embraer. O parlamentar lembrou que a Amazônia é uma das prioridades quando se discute a defesa nacional. O assunto também foi abordado pelo general Luiz Rocha Paiva, do Instituto Sagres, que citou como problema estratégico o processo de demarcação de terras indígenas em áreas de fronteira.

“Hoje em dia 30% do território brasileiro é terra indígena e unidade de conservação. Olha a Calha Norte do rio Amazonas. Por que tanta insistência em fazer terra indígena e unidade de conservação na faixa de fronteira? Porque aí implica um posicionamento internacional para uma gestão compartilhada; portanto, soberania limitada na região”, afirmou.

Além da Amazônia, os participantes da audiência pública ressaltaram os interesses estratégicos do Brasil na região do Atlântico Sul. O deputado Claudio Cajado informou que deve apresentar seu relatório até o final do ano.



Fonte: https://www.camara.leg.br/noticias/827974-debatedores-sugerem-diretrizes-mais-claras-para-a-politica-de-defesa-nacional/
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Sugestões
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp